Diário do Manifesto Juridico Sociológico do Povo Lundês

Click here to edit subtitle

Nota : Este mapa, foi confeccionado pelo Governo Português ao abrigo do Decreto de 13 de julho de 1895,

resultante do tratado das fronteiras do Estado Lunda-Tchokwé com Angola, á Atual RDC, á atual República da Zambia,

e á atual República da Namibia, ato celebrado aos 25 de Maio de 1891 em Lisboa entre o Estado Português e o Estado Belga,

e a seguir, com o Estado Inglês, e com o Estado Alemão.


Lei Nº 8904 de 19 / 02 /1955 - Direito de Formação de Governo Próprio. Alínea g) do Artigo 44.


Lei Nº 15446 de 01 / 07 / 1955 - Direito de uso de Bandeira, insígnia e o selo.


É por isso que fizemos esta Bandeira e entregue ao Executivo Angolano, aos 26 /10 / 2007, e Legalizada pelo Tribunal

Supremo, ao abrigo do processo  Nº 71 / 2011.

Mapa do Estado Lunda-Tchokwé em África Austral,

Futura República Democrática Lunda-Tchokwé,

Ex- Protetorado Internacional sob Tutela do

Estado Português

Capital :  Kalonda

Número de Habitantes :  2.692.723 Habitantes ( Censo 2014 de Angola )

Extensão territorial :   602.709 km^2

Moeda :   MUANZE  (MLT)

Recursos Naturais

Diamante em grande quantidade

(8 Kimberlites com

apenas 1 em exploração e

150 Minas)

/ Ferro

/ Ouro

/ Zinco

/ Madeira

/ Borracha

/ Lenhite

/ Manganês

/Urânio

/ Cobre

/ Tungstênio

/ Recursos Hídricos

Produção Agro-Pecuária:

/ Milho

/ Mandioca

/ Arroz

/ Gado

/ Massango

/ Massambala

/ Algodão

/ Açucar

/ Feijão

/ Batata Doce

/ Batata Rena

Breve História da Constituição do Estado

A História do Estado Lunda-Tchokwé, deriva-se da Divisão do Território, do Ex-império Lunda, Fundado por volta do Século 15/16, pelo nosso antepassado que em vida se chamou, por "yala ya Miaka", casado com a Senhora" Condé" (Banana)," Pais do Tchinguli, Tchinhama, Ndodji e Luegi, e o território ocupava, desde o Sul da atual RDC, Noroeste da atual República da Zâmbia, e Nordeste de Angola (Rio Lui), até á Baixa de Cassange, e Sul até Cumanonque, o Atual Cuando Cubango, e a Capital do Império Chamava-se "Mussumba" sita nas margens do Rio Kalanhi.


A causa da Divisão do Território desde 1877, entre os Muata Yanves, sobrinhos dos Katchokwés, é a Violação do Tabú, acto praticado pela Luegi, quando casou com um caçador da tribu Luba, de nome Ilunga, que tinha sido apanhado a roubar Hidromel.


Tchinguli, Tchinhama e Ndodji, pegaram numa parte da população e atravessaram o Rio Cassai, e instalaram-se no atual Território da Lunda-Tchokwé, isto é, Lado da Terra ocupado pelos Katchokwés, e o Ndumba wa tembo, primo dos 4 filhos do velho Yala Ya Miaka, fundou em 1878 ao Lado deles,o Reino Lunda Tchokwé, com a capital de nome "Tchandumba" ( Cidade de Ndumba ), que se situa na atual Lunda-Sul.


E o território ficou dividido assim :


A 1ª parte,

 ou Norte do Império, ( sul da atual RDC), ficou com os Muata Yanves, e colonizados pelos Belgas, que os integrou na atual RDC desde 1890.


 A 2ª parte,

 ou Noroeste( Aldeia de Kazembe)outra parte do Império, ficou com os Ingleses, que os integrou na Zâmbia, no mesmo ano de 1890. 


A 3ª parte,

 desde o Rio Cassai até ao Cuando Cubango, ficou com os Portugueses. É esta parte Governada pelo Ndumba Wa Tembo, que ficou constituída por sorte, desde 1884 á 1894, em Protetorado Internacional Lunda-Tchokwé em África Austral, e colonizado pelo MPLA, desde 1975, resultante da Violação do artigo 3º do Acordo de Alvor.



É por isso que, o Manifesto Jurídico Sociológico do Povo Lundês, Fundado em Luanda aos 25 - 11 -2006, pelo Dr.Jota Filipe Malakito, com o fim de Lutar e alcançar o Direito de Autodeterminação, situação Jurídica já alcançada, desde 15 de Março de 2011. A divisão Administrativa presente neste Mapa, é da Autoria do Manifesto, pelo facto de ter Ganho a Batalha Judicial, sob o processo nº 71 / 2011 - Emanado pelo Tribunal Supremo da República de Angola. De maneira que, a descolonização ficou decidida em processo penal, escolhido pelo Sr. Presidente José Eduardo dos Santos, parte Legitima derrotada sob o Processo Nº 3450-A/2009-TPLN.



Especificação de Reconhecimento da Independência do Estado Lunda-Tchokwé por Parte de Portugal. 1884 / 1888.

Celebração de tratados de Reconhecimento do Estado Lunda-Tchokwé, entre Portugal e os nossos Bisavós. 1891 / 1894.

Celebração do tratado das fronteiras de Angola e Lunda-Tchokwé, Actual RDC, atual República da Zâmbia, atual República da Namibia, atos resultantes do Tratado de 25 / 05 /1891 á 1894, entre Portugal e o Estado Belga, e diante com os Estados Inglês e Alemão, sobre a delimitação e demarcação das fronteiras.

1895 - Confecção do Mapa do Estado Lunda-Tchokwé sob decreto de 13 de Julho.  10 á 15 de Janeiro de 1975. Assinatura do Contrato consensual da restituição de Angola denominado " Acordo de Alvor".1975, Usurpação ou Colonização do Estado Lunda-Tchokwé, por parte do MPLA, resultante da Violação do art. 3º do Acordo e Alvor. 28 / 05 / 2004, reconfirmação da Independência do Estado Lunda-Tchokwé, ato solene, sob a Autoria do Sr. Dom Duarte, Duque de Bragança, Representante da Monarquia Portuguesa. 25 / 11 /2006, a Fundação do Manifesto Jurídico Sociológico do Povo Lundês, que reivindica a usurpação do Estado Lunda-Tchokwé, entregue aos 03 / 08 / 2007, ao Sr. Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. 14 / 05 /2009, contestação violenta do Sr. PR. Angola, remetida ao Tribunal Provincial da Lunda-Norte, sob, processo Nº 3450 - A / 2009. 15 de Março de 2011, acórdão do Tribunal Supremo sobre a Descolonização do Estado Lunda-Tchokwé, em processo Penal nº 71 / 2011. 06 / 04/ 2011, pedido da Restituição voluntária da nossa Herança, ato recebido aos 13/ 04/ 2011, mas não houve cumprimento.

30 / 09 / 2013. - recurso da complementariedade, interposto ao TPI sob referência OTP-CR-301/13-001. 19 / 02 /2016, remesssa do dossiêr á ONU do pedido de reconhecimento da futura República democrática da Lunda-Tchokwé.

Mwanangana Ndumba Wa Tembo

1º Rei da Lunda-Tchokwé

(1840 - 1880 )

"Ndumba wa Tembo manteve a soberania Tchokwe protegendo os seus recursos, garantindo um território autônomo que seberanamente restringiu o acesso europeu. O trabalho de Ndumba wa Tembo permitiu que o Tchokwe pudesse manter a sua independência."

Carta de Reconfirmação da Independência do 

Estado Lunda-Tchokwé

D. Duarte, Duque de Bragança afirmando a Reconfirmação dos tratados,
e os Títulos, para com as
ex-colónias e seus representantes